terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Boca roxa

Com a contínua inovação por parte das empresas fabricantes de uniforme, principalmente da Nike, que lançou por aqui o roxo corintiano em 2007, a empresa agora aposta na "color violeta", nesta camiseta do Boca Juniors para os torneios de verão de 2013 na Argentina. Foto do blog Todo sobre camisetas.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Corinthians e o Distintivo Fifa - Bicampeão Mundial de Clubes

São Cássio de Yokohama -- por Juca Kfouri -- A religião católica registra um certo São Cássio de Ímola, cujo dia é comemorado em 15 de maio. Ele teria sido um taquígrafo morto, sob tortura, pelos próprios alunos. É quase tudo que se sabe sobre ele. Pois a maior das religiões, a corinthiana, passa a comemorar a partir de ontem, nos dias 16 de dezembro, o dia de São Cássio de Yokohama. Deste São Cássio sabe-se muito mais, principalmente depois que ele torturou os cruzmaltinos e os blues com suas defesas milagrosas. Mas, por enquanto, basta dizer que ele foi eleito o homem do jogo final do Mundial de Clubes da Fifa em 2012, no qual o Corinthians estreou no dia 12/12/2012, 12 anos depois de ter sido campeão mundial pela primeira vez e sob as bênções do bando de loucos, a Fiel, sua incomparável camisa 12. Aliás, qual o número da camisa de São Cássio? O 12, é claro.
A missa e o Corinthians -- por @FChiorino -- Ernesto não perdia uma missa há 52 anos. Logos nas primeiras horas de domingo, ele dava início a todo um ritual. Levantava-se, tomava apenas um copo de água, pegava a bíblia na segunda gaveta do criado-mudo, enrolava o terço no pulso esquerdo e calçava o sapato social com fivela prateada. Só então acordava Lúcia, a companheira de tantas décadas, e aí então partiam em direção à igreja de Santo Amaro. Mas aquele domingo era diferente. Ernesto definitivamente não sabia como agir. Nunca havia passado por situação parecida. Um jogo do Corinthians às 8 e meia da manhã, justamente na hora da missa do padre Teto. “Por que, Deus? Por quê?”, se perguntava, enquanto dava voltas pela sala à procura de um milagre que solucionasse o seu dilema. Travou um verdadeiro conflito psicológico, pesando o que contaria mais para o seu juízo final: a fidelidade irresoluta ao Corinthians ou à igreja. “Deus, é a final do Mundial. Como você pode me tentar assim?”. Lúcia percebeu o desconforto do marido. Sabia que Ernesto não desistiria do culto, pois, além de todo a sua religiosidade, não poderia correr o risco de ter sua fé questionada pelos vizinhos radicais. “Ernesto, é só um jogo de futebol. Vamos”, arriscou. Ernesto apertou ainda mais o terço sobre o pulso, virou-se para a esposa e disparou: “Nunca mais diga isso. Para o bem de nós dois”. Lúcia calou-se e foi em busca de um café preto. Não teve outra solução. Ernesto embrulhou o radinho de pilha com a bíblia e anunciou que estava pronto. Beijou Lúcia na testa, como quem perdoa por tamanha heresia proferida, e lá se foram para a missa. Escolheram um banco mais afastado. Na verdade, Ernesto escolheu. Naquela manhã de domingo, se pudesse, entrava disfarçado na igreja. Discretamente passou o fone de ouvido por baixo da camisa social e sintonizou na rádio de sempre. O jogo e a missa estavam prestes a começar. Quem olhasse para Ernesto poderia jurar que estava diante de alguém que incorporava cada salmo anunciado pelo padre. Ernesto se retorcia, apertava o braço da mulher, se remexia na cadeira. E balbuciava, durante toda a missa, um mantra dos mais religiosos: “Vai, Corinthians. Vai, Corinthians. Vai, Corinthians”. Quando o padre Teto anunciou a eucaristia, o relógio apontava 20 minutos do segundo tempo. Ernesto levantou-se para comungar. Parecia um espião, com aquele fone pendurado nas orelhas e buscando ao máximo não ser notado. Quando chegou a sua vez, seus olhos pararam de piscar. Não enxergou mais padre Teto à sua frente. Ouviu a narração do locutor crescendo a cada segundo e simplesmente fitou os olhos sobre o chão da igreja. Padre Teto percebeu algo estranho e perguntou: “Está pronto para Cristo, Ernesto?”. Vinte e três minutos de jogo. Ernesto arrancou o fone de ouvido e soltou um grito grotesco, que reverberou por todos os vitrais da igreja de Santo Amaro. “GUERRERO, meu Deus. Puta que pariu, GUERRERO”. E disparou em direção à saída de igreja, com os punhos cerrados e apontados para o céu, para espanto do Padre Teto e de todas as demais pessoas espalhadas pela igreja. Pela primeira vez em 52 anos, Ernesto ficou sem a hóstia. Imóvel, instalada na penúltima fileira de bancos da igreja, Lúcia apenas sorria. Como se já soubesse desde o começo o resultado final daquela manhã de domingo.

sábado, 15 de dezembro de 2012

Barcelona-Catalunha - que uniforme... diferente, né?

Com a marca do novo e milionário patrocinador Qatar Fundation, os modelos dos uniformes do Barcelona para a temporada 2013/2014 foram divulgados pelo jornal espanhol Sport. Além da tradicional camisa azul e grená, o clube fará homenagem à Catalunha em seu segundo uniforme ao colocar listras em amarelo e grená, cores que representam a região. O motivo de termos colocado a palavra "diferente" no título é pelo fato de as cores citadas serem raras em camisas de clubes brasileiros. Mas não duvidamos que qualquer coisa que tenha a 'marca' Barcelona venda à rodo.

sábado, 7 de julho de 2012

Corinthians Campeão da Copa Libertadores da América 2012 - com fotos


Neste primeiro trabalho do blog com fotos, destacamos as imagens de Cássio e sua comemoração de gol, o voo de Danilo após o gol no Santos na semifinal, Paulinho correndo após o gol no Vasco nas quartas de final, a corrida de Emerson após gol no Boca Juniors na final e o toque de Romarinho no gol em La Bombonera.

Elas, as outras

por Anderson Milhomem

Como vão ficar as outras torcidas se o clube paulista enfim conquistar a Libertadores?

Venho acompanhando já há algum tempo nas redes sociais o crescimento de uma torcida de futebol única, organizada — até certo ponto — e que, talvez, seja hoje a maior do Brasil: a anticorintiana. E é uma massa considerável, feroz, barulhenta e que a cada jogo do clube paulista transforma o adversário no seu time de infância. E fiquei pensando cá com meus botões: mas por que esse ódio todo por um time, uma torcida?

Não torço para o Corinthians. Nem contra, nem a favor. Simples assim. Aliás, não tenho um time pra torcer em São Paulo. Nunca me afeiçoei a nenhum deles. Simples assim. E graças a essa imparcialidade, acompanhando essa manifestação anti-Corinthians pelo lado de fora, fica fácil chegar a duas conclusões.

A primeira e mais óbvia: as outras torcidas — todas elas — sentem uma inveja imensa do jeito corintiano de ser, viver, torcer e amar o clube. A Fiel Corintiana é a torcida brasileira que mais se aproxima das “hinchadas”, as famosas torcidas argentinas conhecidas por seus cânticos, pelo amor incondicional e pela maneira incansável de torcer pelos seus times.

Normal, eu também sinto inveja disso. Queria que a torcida do meu time fosse igual, que pulasse e gritasse o tempo inteiro, que vibrasse e empurrasse a equipe, o tempo todo, na vitória ou na derrota. E elas, as outras torcidas, jamais darão o braço a torcer para esse fato. Seria o mesmo que admitir que brochou com aquela vizinha gostosa. Jamais.

A segunda conclusão a que chego é que, se o Corinthians ganhar uma Libertadores, a elas, as outras torcidas, não lhes restará mais nada para zombarem do adversário. Porque, no restante, elas, as outras torcidas, perdem em quase tudo. E aí vão se segurar a quê? Ah, claro, algumas passarão a se vangloriar de serem campeãs do mundo, desdenhando o Mundial da FIFA de 2000.Mas e quem não tem um time campeão do mundo? Vão sobreviver sob qual argumento? E se o Corinthians voltar do Japão com o caneco? Aí será o fim?

O que sobrará a elas, as outras torcidas? Dizer que os corintianos são bandidos, drogados e maloqueiros? Que em dias de jogos do clube a violência nas ruas diminui? Que não tem estádio? Ou que ganhou um com dinheiro público?

Convenhamos, seria muito pouco para elas, as outras torcidas.


Anderson Milhomem é publicitário e torcedor do Vila Nova de Goiás.

domingo, 1 de julho de 2012

Barcelona laranja... Cruijff?



Texto do GloboEsporte.com:

O Barcelona apresentou os uniformes que serão utilizados na temporada 2012/2013, e o presidente Sandro Rosell espera que sejam os mais vendidos do mundo pelo segundo ano consecutivo. O dirigente se baseou em projeções feitas pela fornecedora de material esportivo do clube. O Barça utilizará uniformes diferentes dos mais recentes. A camisa reserva é laranja na parte superior e amarela na inferior. O novo uniforme também é inovador pelo material utilizado em sua confecção. Para cada camisa, 13 garrafas de plástico foram recicladas. A apresentação dos novos uniformes foi feita no Museu de Arte Contemporânea de Barcelona, onde também foram expostos os materiais de treino e de passeio que os jogadores e a comissão técnica utilizarão.

sábado, 23 de junho de 2012

Euro²: crise na Itália?



Quando um site de notícias esportivas vai dar notícia da Eurocopa e escreve euro com letra minúscula, a gente fica até na dúvida se está falando do mau futebol de alguns países ou da crise da moeda. A Grécia falida ja dançou, goleada pela Alemanha. E amanhã é a vez da Itália, diante da Inglaterra de Rooney. Se você concorda que o futebol italiano está em crise há anos (e acha que levar a Copa em 2006 foi uma sorte absurda), saiba que o país do governo direitista de Mario Monti, anunciou um pacote econômico para arrecadar 80 bilhões de euros - leia-se: o país será vendido (privatizações). O plano italiano seria para se prevenir “o pior”, ou seja, que a Itália entre pelo mesmo caminho que está sendo trilhado pela Grécia e pela Espanha. Mas o fato é que planos econômicos idênticos a este também foram aplicados nestes países em crise e de nada adiantou para amenizar a crise econômica. E a crise futebolística? Os títulos da Juventus não duram nem um mês, né? Foi assim em maio de 2006, quando o bicampeonato das temporadas anteriores foram retirados e o time rebaixado, e o scudetto de 2012 já está sob suspeita, inclusive com suposto envolvimento do goleiro Buffon na manipulação de resultados. Mas não nos preocupemos. Um país que elegeu Berlusconi (do Milan) por tantas vezes merece vivenciar o que está passando atualmente. E contra a Inglaterra, no domingo 24 de julho de 2012, como será?

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Grécia falida se vingará na Euro da política econômica alemã?




A Grécia, faliu depois de sucessivos governos neoliberais. O último governo de direita vendeu todo o país para empresários alemães, por "recomendação" da União Europeia, e pegou dinheiro emprestado da Alemanha pra pagar dívidas... aos alemães. Aí a população grega, que protesta e quebra tudo desde o ano passado, tem a oportunidade de escolher um novo governo, e elege um governo... de direita!!!

E aí a frase do mestre Tim Maia se encaixa bem à nova realidade daquele país triste e sem perspectiva, fantoche na mão da Alemanha. Torço agora para que a seleção faça uma graça na Euro e se vingue dos alemães nas quartas de final, sexta-feira 22 de junho de 2012.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Inglaterra: de organizadores do futebol ao fracasso eterno em competições



Não foram os ingleses que inventaram o futebol, eles "apenas" organizaram as regras. Há relatos de práticas de chutes a "gol" com bolas desde o século 16, tanto na América recém-invadida quanto na Paris revolucionária do século 18. O povo mais apaixonado em futebol (cria deles) chegou a apenas duas semis na Eurocopa e venceu apenas um torneio relevante, a Copa de 1966, ganhada com muito roubo e ajuda de árbitros e da organização do torneio. O favorito Portugal de Eusébio teve seu jogo alterado para Londres dois dias antes, obrigando os lusos a viajarem (de ônibus) por 24 horas e chegando arrebentados para a semifinal com os ingleses. Na final, "o camisa 10 britânico Hurst recebeu uma bola no campo de ataque, avançou e virou chutando quase na entrada da pequena área. O arremate estourou no travessão e se chocou com o chão da meta de Hans Tilkowski, próximo à linha do gol. A jogada foi validada pelo árbitro suíço Gottfried Vienst e pelo bandeirinha azerbaijano Tofiq Bahramov." Dizem até que jogadores brasileiros ganharam uns trocados para não se classificarem para as quartas... Mas qual a seleção ganhou uma Copa sem uma ajudinha? A Itália de 1934 e de 1938 foi ameaçada de morte (o goleiro húngaro: "Tomei 4 gols mas salvei 11 vidas"), a Alemanha em 1954, o Brasil em 1962 (Garrincha jogou suspenso), a Argentina em 1978 (Juca Kfouri ouvindo o almoço dos generais argentiinos com dirigentes da FIFA), a Alemanha em 1990 (o pênalti mandrake e a reunificação do país), o Brasil em 1994 (a despedida de João Havelange e a rasteira em Maradona), a França em 1998, a Espanha e o árbitro Howard Webb em 2010 ...

O gol polêmico de Hurst foi o terceiro na vitória da Inglaterra por 4 a 2 sobre a Alemanha na final de 1966

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Espanha azul... cor fria, cor da crise no país


A imprensa da Europa foi "orientada" pelo governo da Espanha para que não fosse utilizada a palavra "resgate" devido ao empréstimo junto à União Europeia... não querem descer do salto. Depois de roubarem toda a América Latina por 500 anos, o povo ainda acha que é regido pela dinastia dos Habsburgo lá do século 16. Enquanto o país vai à falência, a imprensa se cala quando o assunto são as dívidas dos clubes de futebol... acordo?

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Seleção do Taiti (mostrando o que o Jornal Nacional só comentou)


Todo mundo sabe que o Jornal Nacional, da emissora amiga dos ricos, do Bradesco e do PSDB, vai mostrar somente aquilo que é de interesse (econômico) dele, ou seja, não vai perder tempo mostrando os gols da seleção do Taiti sobre a Nova Caledônia na final da Copa das Nações da OFC, título máximo do futebol da Oceania. Mas, como diz o jornalista Luiz Carlos Azenha, da TV Record, "se você quer saber o outro lado dos fatos, procure na blogosfera", aproveitamos aqui pra divulgar o blog "Do outro lado da bola", com o melhor conteúdo do futebol da Oceania em Língua Portuguesa - clique no link para acessar o site e acompanhar as finais e saber o motivo de a Nova Zelândia ter dançado desta vez (que os All se cuidem pra não perderem a meia vaga para a Copa de 2014).



quarta-feira, 30 de maio de 2012

Coritiba: uniforme preto


No intuito de reviver os anos de 1940 e 1950, quando o clube era conhecido como alvinegro, o Coritiba lançou o uniforme totalmente preto. O verde e branco foram as cores originais do clube na sua criação, em 1909, mas ficou de lado até a década de 1950.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Manchester United: tire atenção do título do rival (lance nova camisa)


Quando o time prevê que o rival vai obter os holofotes pela conquista de um título, os departamentos de marketing procuram plantar boatos, criar informações ou fazer qualquer coisa, seja verossímel ou não, para desviar a atenção de uma conquista. No Brasil, lançam-se uniformes exóticos ou apresentam-se jogadores e técnicos um dia após o rival levantar um troféu... Mas é tudo coincidência, claro!

Os Reds de Manchester lançaram a nova camisa vermelha, mas foi sexta, dois dias antes da conquista dos Citizens, ontem (domingo), 13 de maio. O uniforme faz referência ao passado industrial de Manchester. A estampa xadrez foi desenvolvida tendo como referência os moinhos de algodão da cidade no século 18. Na parte interior da gola da nova camisa está escrita a mensagem “Forged in Industry, Striving for Glory” (Forjado na Indústria, Lutando pela Glória, em português).