segunda-feira, 18 de julho de 2011

Desabafo contra o anti-argentinismo


Do blog de Mauro Cezar Pereira no site ESPN.com:

"Mano que abra o olho, deixe de lado um pouco desse estilo excessivamente sóbrio. É preciso mais do que técnica e tática para se formar um bom time. Características que até faltam ao Uruguai em algumas funções. E eles compensam jogando com alma. O duelo de sábado contra a Argentina foi o melhor da competição. E despertou uma série de manifestações contra os hermanos na internet.
Até acredito que algumas sejam sinceras, é possível que brasileiros tenham rivalidade real com argentinos no futebol. Mas a meu ver isso é coisa de poucos. A maioria embarca na grande onda acionada pelos mestres de cerimônias da mídia do oba-oba. Gente ingênua e facilmente manipulada, é o torcedor manobrado e que engole a tese segundo a qual para ver futebol é preciso torcer por alguém ou contra alguém. O ótimo texto do jornalista Fernando Faro, abaixo, resume bem isso.
Mas antes da ótima leitura, curta o vídeo a seguir. Um comercial que tem como gancho a rivalidade no futebol sul-americano. E ela não envolve o Brasil. Sim, os dois maiores rivais do continente estiveram mais uma vez frente a frente sábado, em Santa Fé.



Em tempo: acho as manchetes do diário argentino Olé provocando o futebol brasileiro absolutamente imbecis. Sei que existe um vídeo igual ao que você viu acima com o argentino na torcida brasileira. Defendo, apenas, a tese de que a maior, verdadeira, acirrada rivalidade sul-americana, até pelo tempo, convivência e proximidade, é Uruguai x Argentina. Abaixo, o texto do Fernando Faro."

"Contra o anti-argentinismo

"Nunca vi um povo comemorar um gol como o argentino. No campo ou na arquibancada, as veias saltam e a cor geralmente desbotada da pele portenha rapidamente se avermelha como um belo Malbec.
Quando a derrota vem, o vulcão de sentimentos permanece o mesmo. O chão some, as mãos trêmulas buscam repouso nas cabeças e não raro as lágrimas escorrem em profusão estarrecedora.
Um gol argentino é como um tango de Gardel. Denso. Forte. Emotivo.
Como país e povo, os argentinos (ao menos comigo) sempre foram gentis e amigos. Isso sem contar a beleza das paisagens, a culinária saborosa...
A Argentina também sempre tratou a bola com raro carinho. De Di Stéfano a Maradona e Messi, vimos brotar naquelas terras gênios capazes de rivalizar com os brasileiros. Isso em um país muito menor e com 1/5 menos de 'pé de obra' disponível.
Fica difícil, portanto, entender o porquê da raiva de alguns brasileiros contra nossos vizinhos. O que se leu nas redes sociais após a derrota para o Uruguai não foi rivalidade, essa sim sempre saudável. Foi algo menor.
Resisto pensar que se trate de dor de cotovelo, mas é difícil pensar em outra coisa. Falar que argentino é convencido e arrogante é muito fácil, mas quantas dessas milhões de pessoas realmente conhecem um portenho pra falar tal coisa (e como se nós fôssemos um país de humildes cordeirinhos).
Talvez, lá no fundo, o brasileiro gostaria de ver seus jogadores comemorando gols menos com coraçõezinhos e imitações tontas de bonecos e mais com seus companheiros e a torcida.
Somos acostumados a cobrar títulos aos montes e ai do time que não corresponder. Será rotulado de perdedor - que o diga o Brasil de Dunga. Quando perdemos, o que vem é a indignação. Como o melhor futebol do mundo ousa perder para um "inferior"?
Enquanto isso, mais ao sul, os argentinos sofrem com uma seca de títulos. Querem apenas ter o prazer de gritar campeão. Quando eles perdem, o que vem é a dor.
Vai ver que dorme escondido um sentimento de que eles jogam para trazer alegria à gente sofrida deles. Os nossos parecem sempre jogar para tentar comprovar sua condição de "superior" e aumentar sua fama.
Torcer contra a Argentina (e contra Uruguai, Itália, França, Holanda, Alemanha, etc) é atentar contra o futebol, violentar a tradição. Não só me nego como adoto o caminho inverso, sempre quero ver os gigantes frente a frente.
Nenhum time é nada se não existirem seus temidos rivais. E a rivalidade genuína nada mais é do que uma mistura de temor e respeito mútuo. Um sentimento paradoxalmente nobre e honrado.
Uma pena que muitas pessoas - alimentadas muitas vezes pela própria mídia e seus animadores de auditório - deturpem esse respeito e o transformem em avacalhação.
Como brasileiro, admiro demais o futebol argentino e vejo como ele completa o nosso e vice-versa. Em minha modesta concepção, isso é muito mais patriota do que sair gritando que sou brasileiro com muito orgulho e muito amor.
Pena que devo ser minoria."

(Agradecemos à Sr.ª Mano Negra, que colaborou com a composição deste post)

Um comentário:

  1. Disse exatamente TUDO que eu penso e sempre defendi! O futebol argentino merece todo reconhecimento! É um futebol de amor, de garra, e não o futebol mercenário que infelizmente tomou conta do nosso país e da nossa seleção.

    ResponderExcluir