sexta-feira, 18 de março de 2011

Breve informação: vagas para a Copa 2014





Do portal Kibeloco,

LEPTOSPIBOL

As imagens abaixo são do jogo Itaperuna x Aperibeense, realizado no último sábado e válido pela 2ª divisão do Campeonato Carioca de Futebol. E aí? Estamos ou não estamos prontos para uma Copa do Mundo?



Isso sim “Inacreditável Futebol Clube”...

sábado, 12 de março de 2011

"Marinheiro francês"


Título e texto do GloboEsporte.com, escrito por Thiago Dias:

"A Nike divulgou nesta segunda-feira as primeiras imagens do novo uniforme reserva da seleção francesa. A camisa número 1, azul, estreou na vitória sobre o Brasil por 1 a 0 no amistoso do mês passado.

O uniforme branco é diferente de todos usados pela equipe na era Adidas: tem várias listras horizontais azuis. Em um comunicado, a Nike explicou que se inspirou em roupas dos marinheiros franceses do século XIX."

Confira o vídeo de divulgação e as fotos da camisa:

sexta-feira, 11 de março de 2011

Times do Rio Grande do Sul: Cruzeiro e São José



Texto do blog Futebol - Arte & Garra, por Luciano Bonfoco Patussi, em 30 de junho de 2010:

"Esporte Clube Cruzeiro: o retorno de um pioneiro do futebol gaúcho

Enquanto Alex Goiano, jogador do Cruzeiro, marcava em cobrança de falta o terceiro gol do time de Porto Alegre na partida contra o Lajeadense, somente uma certeza tomava conta do pensamento da torcida cruzeirista: faltariam aproximadamente 10 minutos para o apito que decretaria o final da partida. Mais do que isso, a vitória por 3x0 sobre o Lajeadense, em Lajeado, daria mais um título para a galeria histórica do Cruzeiro. Acabaria um longo jejum.

O apito final, enfim, soou. A falta de títulos já faz parte do passado. A vitória deu ao time do Cruzeiro o título de campeão gaúcho da série B em 2010. Foi uma conquista que coroou a devolução, à primeira divisão gaúcha, de um dos clubes mais tradicionais do Rio Grande do Sul.

Fundado no dia 14 de julho de 1913, o Esporte Clube Cruzeiro é, em vários aspectos, um dos pioneiros do futebol gaúcho. Foi a primeira entidade esportiva gaúcha a implantar no clube o quadro de categorias de base, visando a formação de jovens atletas.

Com o crescimento da paixão do seu torcedor, um dos fatos mais marcantes da história cruzeirista foi a construção do estádio da Montanha, o maior da cidade de Porto Alegre até então. A inauguração foi em um amistoso contra o São Paulo. Isso aconteceu em 1941. O Cruzeiro derrotou o time paulista por 1x0, sob os olhos de mais de 20.000 torcedores presentes. O primeiro gol do estádio foi marcado por Gervásio.

Outra curiosidade interessante é que o Cruzeiro de Porto Alegre já esteve presente em uma Copa do Mundo. Não o time, mas a camisa estrelada. No confronto contra a Suíça, válido pela Copa do Mundo de 1950, o México entrou no gramado do estádio dos Eucaliptos fardado com a camisa cruzeirista. Fatos possíveis na época.

Merece ainda destaque especial uma excursão, realizada na Europa, entre o final de 1953 e o início de 1954. Foi a primeira excursão realizada, pela Europa, por um clube do Rio Grande do Sul. Destaques para o empate em 0x0 contra o Real em Madrid e para os empates também em 0x0 contra o Torino e a Lazio, em Turim e Roma, respectivamente. Para finalizar a excursão, o Cruzeiro retornou à Espanha para, em Barcelona, derrotar o Espanyol duas vezes: por 4x2 e 2x0. O saldo desta excursão foi de 15 jogos, com 7 vitórias, 4 empates e apenas 4 derrotas. Foram visitados os seguintes países: Espanha, França, Suíça, Itália, Turquia e Israel. O Cruzeiro deixou saudade no velho continente. Tanto que foi convidado para retornar.

Em 1960, o Cruzeiro marcou época na Europa novamente. Enfrentou equipes como Sevilla, Dínamo de Zagreb, além das seleções da Tchecoslováquia e da Bulgária, entre outros times. Desta vez, em 24 partidas, o Cruzeiro alcançou 11 vitórias, perdendo 7 jogos e empatando 6 vezes.

Durante esta excursão, o Cruzeiro conquistou o Torneio de Páscoa de Berlim, o primeiro título intercontinental de um clube gaúcho. Seguindo a trilha da realização de grandes jogos internacionais, o Cruzeiro jogou em 1961 o Torneio de Páscoa em Mar del Plata, na Argentina. Foi campeão.

Ao final da década de 1960, entretanto, o clube viveu uma fase complicada. Tudo culminou com a venda do estádio da Montanha. A última partida no local foi emocionante. O Cruzeiro venceu o Liverpool de Montevidéu por 3x2, no dia 8 de novembro de 1970. Vários torcedores deixaram o estádio derramando lágrimas. Era a última partida jogada no estádio da Montanha. O novo estádio do Cruzeiro foi inaugurado em 1977, denominado Estrelão. COntudo, em 1979 o Cruzeiro desativou seu departamento de futebol profissional, voltando a ativá-lo apenas em 1991. Foram tempos difíceis para os apaixonados cruzeiristas...

Fundado em 1913 e campeão gaúcho na temporada de 1929, o Esporte Clube Cruzeiro, de Porto Alegre, está de volta. Em 2010, após realizar grande campanha na série B estadual, o Leão da Montanha garantiu seu retorno à primeira divisão do campeonato gaúcho. O tradicional clube da capital do Rio Grande do Sul estava ausente do principal certame regional há 32 anos. A fiel torcida estrelada, sempre unida no ardor e na fé, não consegue esconder a euforia e o orgulho por este momento mágico vivido pelo glorioso Cruzeiro."

http://www.cruzeiropoa.com.br/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Esporte_Clube_Cruzeiro_%28Rio_Grande_do_Sul%29
http://www.finalsports.com.br/03/blog_campelo/?p=561
http://pt.wikipedia.org/wiki/Campeonato_Ga%C3%BAcho_de_Futebol_de_1977
http://www.copafutebolrs.blogspot.com

segunda-feira, 7 de março de 2011

Escudo e patrocínio inusitados...


Trechos de publicações do Parana-online.com.br e Futebol Paranaense.net

"Fundado em 2000, na cidade de Barueri-SP, o Roma se estabeleceu em Apucarana-PR no ano seguinte (coincidência com outro time pela mudança de cidade?). Atualmente o clube passa por dificuldades, principalmente financeiras, mas em 23 de janeiro último, o que mais chamou a atenção foi a camisa do clube. Em vez de um patrocínio da região, como costumamos observar nas camisas das equipes do interior, havia um ponto de interrogação. Em entrevista ao canal PFC, o presidente do clube, Sergio Kowalski, destacou que a atitude é um apelo para chamar a atenção dos empresários da cidade. Segundo ele, o que mantém financeiramente a equipe é seu próprio bolso. 'Isso não é uma marca de patrocínio, não. É falta de patrocínio mesmo', disse".
"Em novembro de 2010, o Roma Esporte Apucarana lançou sua nova logomarca, que será utilizada como distintivo da camisa oficial e em todas atividades sociais do clube. O novo distintivo foi criado a partir do lançamento de um concurso promovido pelo departamento de marketing do Roma, que entre 8 e 28 de outubro de 2010 recebeu 102 distintivos enviados por 32 pessoas participantes, algumas destas pessoas participaram com até 10 desenhos diferentes. O presidente do Roma, Sr. Sérgio Kowalski anunciou o ganhador do concurso, André Gustavo Burin, morador de Apucarana e torcedor do Roma, que ganhou uma camisa oficial, um kit de ingresso para assistir todos os jogos do Roma na 1ª divisão e também ganhará a 1º camisa oficial com a nova logo que foi lançada em dezembro."

Foto do portal http://www.odiario.com/blogs/esquemarapido

Só é um pouco parecida com o escudo da Seleção dos Emirados Árabes Unidos, não?


Para finalizarmos, um texto do blog do Antero Greco (21 janeiro 2011):

"Símbolo loteado

"Na quarta-feira, duas imagens me chamaram a atenção, em jogos do Campeonato Paulista. A primeira foi a do uniforme do Santos, quase imaculadamente branco e condizente com sua tradição. A única intromissão, porém simpática, foi a imagem do ursinho panda estampada na parte da frente, ao lado do escudo. O animal é o símbolo da WWF, fundação internacional que defende a vida selvagem. O clube paulista divulga essa marca, como uma espécie de ação social, enquanto define patrocinador para a temporada recém-iniciada. Bonito ver o uniforme nas cores originais.

No mesmo dia, um pouco mais tarde, o duelo entre Bragantino e Corinthians mostrou um festival de mau gosto ambulante. As duas camisas ostentavam uma infinidade de anúncios, dos mais diversos tamanhos e produtos, esparramados por todos os cantos – até no sovaco. Os escudos ficam perdidos nesses outdoors, nessa colcha de retalhos. Camisas alvinegras tão lindas parecem mais abadás carnavalescos.

Não tenho a menor dúvida de que o argumento principal para justificar o loteamento é a necessidade de fazer caixa, de ter dinheiro para investir, para pagar contas, para montar equipes competitivas etc. e tal. Sei que o futebol se transformou numa atividade cara e que o uniforme é fonte de renda imprescindível. Até o autossuficiente Barcelona curvou-se ao apelo e, depois de décadas, aceitou fazer propaganda. Mas vendeu caro, se fez valorizar. É o que mais arrecada no mundo nesse quesito. E não perdeu o charme ou a elegância.

O Corinthians gaba-se de ser o segundo clube que mais faturou, com a diferença de que teve de recorrer a uma dezena de anunciantes, para ainda assim ficar distante do gigante espanhol. Alguém pode dizer que é prova de marketing agressivo e eficiente. Mesmo? Ou seria uma demonstração de que não há limite para a voracidade de arrecadação? Certamente o Barça tem fila de pretendentes a comprar alguns centímetros quadrados de sua camiseta. Só que o bom senso dos cartolas – além de legislação que regula a publicidade – prevalece sobre o comichão de ganhar uns trocos.

Reconheço que os clubes precisam ser criativos e devem diversificar as opções para aumentar as receitas. Que o façam sempre com critério. Os pragmáticos que me desculpem, ainda sou dos que veem a camisa do time de coração como manto sagrado. E como tal deve ser respeitado. Um patrocinador, vá lá, passa, já que virou mal necessário. Um monte de reclames, que mais parecem os classificados dos jornais, é sacrilégio. Não gastaria um centavo para comprar essas peças horríveis. Ou então pediria desconto generoso aos clubes, porque, ao vestir camisas com visual tão poluído, estaria a fazer propaganda de graça, enquanto alguém lucra. Tô fora!"

quarta-feira, 2 de março de 2011

Hoje é aniversário do FC Primeira Camisa


O Primeira Camisa nasceu como um projeto idealizado pelo ex-jogador Roque Júnior. Depois de jogar na Itália, Inglaterra e Alemanha, ele desenvolveu a idéia de oferecer aos garotos uma oportunidade de jogar futebol com uma infraestrutura organizada e planejada. O Projeto Primeira Camisa surgiu em dezembro de 2005.
Após a disputa do Campeonato Paulista sub-15, sub-17 e sub-20 – no qual as categorias chegaram à 2ª fase - as equipes participaram de torneios internacionais para ganhar experiência. Durante toda a temporada, os atletas receberam todo tipo de assessoria, preparação física, assistência médica e exames clínicos, além do cuidado com a alimentação. O Primeira Camisa, então, disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior. O trabalho foi premiado com um bom resultado, chegando às quartas de final desse importante torneio. Em 2 de março de 2007, iniciou-se uma nova fase. O Projeto Primeira Camisa virou Futebol Clube Primeira Camisa. Novamente o clube alcançou a 2ª fase do Campeonato Paulista nas categorias sub-15, sub-17 e sub-20. A campanha do Primeira Camisa foi tão positiva que o clube deu início ao futebol profissional em 2008, o que estava previsto apenas para 2010. Também em 2008 as categorias de base alcançaram a 3ª fase no Campeonato Paulista. Hoje o Futebol Clube Primeira Camisa mantém equipes formadas nas referidas categorias, além da profissional na 4ª divisão do Campeonato Paulista.


Hino do Primeira Camisa
(Nivaldo João de Castro Pandeló)

Nos verdes campos que é de São José
O futebol atravessou a divisa
A bola rola de pé em pé
No clube Primeira Camisa
Os jovens, terão a chance
Pra que um dia o clube os revele
Pra que a fama um dia alcance
Faz da camisa sua segunda pele

Primeira Camisa, orgulho do seu torcedor
Primeira Camisa, um futuro promissor
Primeira Camisa, é o time do meu coração
Primeira Camisa, nasceu pra ser campeão

O joseense se enche de orgulho,
Com esse time sua nova paixão
Sua torcida vai fazer barulho,
Todo estádio vai tremer no chão
A emoção é de um filho querido

O seu amor é como de amor paterno
Vibrando com seu time favorito
Que na história ficará eterno.

terça-feira, 1 de março de 2011

Clubes do Paraná: Rio Branco, Cascavel CR e Cianorte FC




Não sabemos se é uma tendência do futebol paranaense ou dificuldade de gestão do futebol em geral, mas naquele estado as fusões entre equipes são recorrentes. Problemas financeiros, má gestão, falta de patrocínios, calotes de todas as partes, parco apoio das Federações, desprezo total da CBF, forças políticas minando o futebol do interior, esvaziamento dos campeonatos estaduais, calendário irracional, tudo isso faz com que dirigentes, empresários e torcedores busquem união administrativa de agremiações com vistas a salvar a "paixão" (?) que há nas cidades do interior do País, a fim de enfrentarem os times das capitais e representarem suas cidades.

Destes 3 escudos, só o Rio Branco mantém a tradição e segue desde 1913.

O texto a seguir é do portal Wikipédia, com históricos do Cianorte e do Cascavel:

"Nestes escudos, o Cianorte Futebol Clube, que herdou, em 2002, as cores verde e branco do extinto Cianorte Esporte Clube, criado em 1993. O primeiro time de futebol de Cianorte foi o Café. O nome não apenas referia-se apenas à cultura cafeeira: era uma sigla de Cianorte Assessoria Física e Educativa. Sua fundação ocorreu em 1958, três anos após o ex-distrito de Peabiru ser emancipado. O Café disputou o Campeonato Paranaense de Futebol em 1965, 1969, 1970 e 1972, quando foi rebaixado. A queda para a segunda divisão revoltou o jogador Rubens, que pôs fogo na sede social do clube, causando o encerramento das atividades da equipe. Mais de duas décadas se passaram até que o futebol profissional retornasse à cidade do noroeste do estado. Em 1993, surgiu o Cianorte Esporte Clube. O alviverde, que nunca disputou a primeira divisão, deu lugar em 2002 ao Cianorte Futebol Clube, que hoje está na 1ª divisão do Campeonato Paranaense."

"O Cascavel Clube Recreativo é um clube da cidade de Cascavel, oeste do Paraná. Foi fundado em 17 de Dezembro de 2001 a partir da fusão do Cascavel Esporte Clube, SOREC e Cascavel S.A. A equipe herdou a tradição do Cascavel Esporte Clube, campeão estadual em 1980. Atualmente está na 1ª divisão do Campeonato Paranaense."

Para ilustrar o que escrevemos primeiramente, um organograma encontrado na internet contendo as fusões que deram origem ao Paraná Clube:

Serrano Sport Club


O Serrano é sediado na cidade de Vitória da Conquista, na Bahia, e disputa atualmente a 1ª divisão daquele estado. Com a extinção do Humaitá profissional, surgiu em 1979 um movimento na cidade, liderado pelo empresário Nelival Pereira Sá, para a volta do profissionalismo em Vitória da Conquista, quando foi fundado o Serrano. Em 1980, em um jogo disputado em Vitória da Conquista (Serrano 1 X 1 Galícia), Milton Santarém (autor do Hino Canário, oficial do E.C. Ypiranga) e seus filhos Ricardo e Renato Santarém, compositores de música popular, resolveram compor o Hino Serrano (fonte: Wikipédia):

"Desde a Serra do Marçal
Vi dentre muitas uma cena colossal
Um verde-vermelho tremulante
Que aos poucos tornava radiante
Era um imenso cafezal
Símbolo do time conquistense
Jogando um futebol para vencer
Por isso sou Serrano até morrer
Sua torcida é leal
Que mostra uma gana imortal
Causando um efeito altitonante
Que leva o Serrano sempre avante
De uma fibra sem igual
Sua força é incontinente
Serrano o café lhe dá poder
Conquista sempre a lhe merecer
No estádio Lomantão
Torcemos com mais garra e emoção
O gol é o seu grito de guerra
O seu nome é orgulho desta terra
Equipe vibrante e audaz
Do campo sempre sai vitoriosa
De Vitórias és Conquistador
Torcemos com orgulho e com amor
Desde a Serra do Marçal
Vi dentre muitas uma cena colossal
Um verde-vermelho tremulante
Que aos poucos tornava radiante é um imenso cafezal
Símbolo do time conquistense
Jogando um futebol para vencer

Por isso sou Serrano até morrer
Por isso sou Serrano até morrer
Por isso sou Serrano até morrer
SERRANO!"