quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Portugal: 2º uniforme 2012


Os escudos do novo 2º uniforme da Seleção de Portugal, produzidas pela Nike para 2012, conforme divulgação do blog uruguaio Todo sobre camisetas.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Seleção da CBF/Globo: 2º uniforme 2012


A estranha faixa frontal/horizontal do uniforme de 2011 foi tão rejeitada que em menos de um ano a Nike a retirou, mas ela não foi embora: dobrou sua largura, duplicou-se e se enrolou nas mangas da camisa, ou seja, o uniforme continua feio. A azul marinho voltou, no lugar do quase verde escuro deste ano. A imagem abaixo é do blog uruguaio Todo sobre camisetas.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Holanda 2012: 1º e 2º uniformes



Hoje, os escudos dos novos uniformes da Holanda produzidas pela Nike para 2012, conforme divulgação do blog uruguaio Todo sobre camisetas.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

França 2012 - 1º e 2º uniformes



Por meio de uma loja chinesa, o blog uruguaio Todo sobre camisetas conseguiu imagens das novas camisetas da Nike para 2012 das Seleções do Brasil, França, Portugal, Croácia, Eslovênia, Sérvia, Turquia e Estados Unidos. Postaremos toda quarta os escudos dos novos uniformes, começando hoje pela França; semana que vem Holanda e em dezembro o restante.

__________________________

A nossa prosa de hoje é que o Corinthians está "na beira" de conquistar o título brasileiro deste ano, e manifestações de anti-corintianismo são cada vez mais frequentes e agressivas. Há algum tempo o jornal esportivo Lance fez uma pergunta aos internautas: qual o time você mais odeia, tendo "nenhum" com uma das opções, mas o Corinthians levou esse título. O conturbado título brasileiro de 2005 é o grande impulsionador deste ódio, mas fatores político-sociais também influenciam. A alcunha "Time do Povo" por si só dá nojo a elitistas, dentre os 30 milhões de torcedores há muitos pobres, pretos e outros marginalizados, além de que geralmente são muito enjoados, doentes pelo time... A atual diretoria do time é muito próxima ao ex-Presidente Lula e ao PT, o que deve matar qualquer tucano de raiva. Tem também o o puxa-saquismo da Globo (com exceção do narrador Cléber Mais-chato), supostos auxílios que o time recebe da CBF/Árbitros/STJD, e até uma certa despreocupação do corintiano com os outros - egocentrismo? Pra outros torcedores, ver o Corinthians perder chega a ser mais satisfatório do que ver o próprio time ganhar. Na TV, o maior exemplo é de Mauro Cézar Pereira, da ESPN, que não gosta do goleiro Felipe, de seu próprio time, o Flamengo, só porque jogou no time paulista.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

David Costa e Celso Unzelte descobrem "escudo perdido" do Corinthians


Notícia do portal oficial do Corinthians:

Na noite de 15 de julho último, o programa Timão News, da TV Corinthians, recebeu o jornalista e pesquisador Celso Unzelte e David Costa, responsável pelo Memorial do Corinthians. Eles foram convidados para falarem sobre o recém-descoberto escudo corinthiano usado pela equipe no ano de 1914, sendo assim o segundo escudo da história do Corinthians. O “escudo perdido” foi identificado em uma foto de 1914, por David. É mais uma variação em torno das letras S, C e P, usada em um jogo contra o Germânia,
retratado na foto à direita. Essa foto, que já foi publicada no livro oficial do
Centenário, em 2010, também é a primeira em que se comprova a existência das camisas de cor bege. Réplicas com o “escudo perdido” devem chegar às lojas em 1º de setembro próximo, quando o Corinthians completa 101 anos.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Fluminense: 3º uniforme 2011


Texto do site Terra:

"O Fluminense divulgou na manhã da quinta-feira 4 de agosto, através de seu Flickr, site de hospedagem de fotos, imagens da sua nova 3ª camisa, que tem como cor predominante o grená e detalhes em dourado. O novo 3º uniforme deve ser usado pela primeira vez nesta quinta-feira, às 21 horas (de Brasília), quando o Fluminense encara o Internacional pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. Aprovado na última reunião do Conselho Deliberativo do clube, o modelo foi alvo de uma polêmica em torno dos detalhes dourados, pois a cor nunca fez parte das camisas da equipe carioca. Na última quarta-feira, a Adidas, fornecedora de material esportivo do Fluminense, divulgou algumas partes da peça, como homenagens ao Estádio das Laranjeiras e aos três títulos brasileiros do time, conquistados em 1970, 1984 e 2010. O clube carioca e a Adidas já tiveram uma parceria de sucesso em 2001, quando a empresa lançou uma camisa laranja, que acabou sendo o item de comércio mais vendido do ano. No entanto, o Conselho Deliberativo não liberou seu uso em partidas oficiais e o modelo acabou aparecendo apenas nas arquibancadas e em jogos-treinos."

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Nova Caledônia


Em divulgação ao blog Do outro lado da bola - o melhor conteúdo do futebol da Oceania em Língua Portuguesa, apresentamos a Seleção da Nova Caledônia, que se prepara para os Jogos do Pacífico, que acontecerão entre 28 de agosto de 12 de setembro, naquele país. Os 3 primeiros colocados terão vaga nas Eliminatórias da Oceania para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil (a Nova Zelândia não participa pois tem vaga assegurada).

sábado, 23 de julho de 2011

Vila Nova - 3º uniforme 2011


Escolhido através de votação realizada na loja Paixão Vermelha, torcedores escolheram o novo uniforme número 3 do Tigrão. A camisa será lançada oficialmente em 29 de julho próximo, aniversário do Vila Nova.


Um bandeirão do Vila Nova estava presente atrás do gol em que jogadores brasileiros tentaram bater pênaltis no domingo passado, contra o Paraguai e, claro, alguns tentaram dizer que a Seleção da CBF/Globo perdeu por causa disso. Quem fala uma coisa dessa certamente está pouco informado sobre os desmandos do desbocado Ricardo Teixeira. Uma administração incompetente por 22 anos dá seus frutos. Ganhou títulos, ganhou de "presente" da Fifa a Copa de 1994 (despedida de João Havelange no trono, criando um caminho propício para a Seleção e barrando Maradona), mas para um país grande e boleiro como o Brasil, a corrupção é muita e o futebol é pouco.



Os homens de preto: Ba Football Club


Em divulgação ao blog "Do Outro Lado da Bola - O melhor conteúdo do futebol da Oceania em Língua Portuguesa", postaremos aqui escudos de clubes daquele continente. "O Ba Football Club é um clube de futebol de Fiji que disputa a liga fijiana de futebol. Sua maior façanha foi o vice-campeonato da Liga dos Campeões da OFC de 2007. Atualmente, é uma equipe grande de Fiji." (Wikipédia). Confira o texto abaixo de João Victor Gonçalves sobre a turnê do Ba FC no Canadá.



"Homens de preto" fazem sucesso durante turnê no Canadá!
Por João Victor Gonçalves

Desde o começo do mês de julho, uma das mais tradicionais equipes do futebol fijiano e da Oceania, o Ba (atual campeão nacional e representante do país na O-League 2011-12) está representando o país em uma série de amistosos comemorativos ao Dia de Fiji na cidade de Surrey, Canadá. E a equipe do técnico Rushi Kumar não tem decepcionado seus torcedores até agora: em oito jogos, foram sete vitórias e apenas um empate. Destaque principal para o último encontro, quando os "homens de preto" (como são conhecidos os jogadores do Ba) enfrentaram o Vancouver Metro All Stars e bateram os rivais por 2-1, num dos jogos mais apertados que a equipe realizou em terras canadenses até então. Maveliko Nakama abriu o placar para os visitantes, mas os locais empataram cinco minutos depois. Porém, quando o jogo já se encaminhava para o seu final, Tiwa fez grande jogada individual e definiu a contagem final no Bear Creek Park. A base da equipe que está invicta no Canadá é composta por jogadores campeões da Liga Fijiana (fonte: Site Oficial do Clube). Nos outros jogos, a equipe havia vencido os seguintes rivais: 1-0 na Seleção da Índia, 6-1 no Vancouver All Stars, 1-0 na University of British Columbia, 4-0 contra o Khalsa Sporting, 5-3 contra a Seleção da Arábia Saudita, 4-0 na equipe Sub-20 do Revolution; o único empate na turnê foi ante o Calgary All Stars: 1-1. Segundo o técnico Rushi Kamar, "a equipe estabeleceu o objetivo de voltar invicta para a casa e todos os jogadores estão dando o seu melhor nos jogos; estou impressionado com o desempenho deles até agora". O comandante dos "homens de preto" também ressaltou que o torneio "está servindo como preparação para a 'Batalha dos Gigantes' (tradicional torneio fijiano)". A equipe retorna do Canadá na próxima sexta-feira, mas já podemos ter a certeza de que o futebol fijiano passou a ser visto com outros olhos após a passagem do Ba pelo país norte-americano."


A base da equipe que está invicta no Canadá é composta por jogadores campeões da Liga Fijiana. Fonte: Site Oficial do Clube

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Desabafo contra o anti-argentinismo


Do blog de Mauro Cezar Pereira no site ESPN.com:

"Mano que abra o olho, deixe de lado um pouco desse estilo excessivamente sóbrio. É preciso mais do que técnica e tática para se formar um bom time. Características que até faltam ao Uruguai em algumas funções. E eles compensam jogando com alma. O duelo de sábado contra a Argentina foi o melhor da competição. E despertou uma série de manifestações contra os hermanos na internet.
Até acredito que algumas sejam sinceras, é possível que brasileiros tenham rivalidade real com argentinos no futebol. Mas a meu ver isso é coisa de poucos. A maioria embarca na grande onda acionada pelos mestres de cerimônias da mídia do oba-oba. Gente ingênua e facilmente manipulada, é o torcedor manobrado e que engole a tese segundo a qual para ver futebol é preciso torcer por alguém ou contra alguém. O ótimo texto do jornalista Fernando Faro, abaixo, resume bem isso.
Mas antes da ótima leitura, curta o vídeo a seguir. Um comercial que tem como gancho a rivalidade no futebol sul-americano. E ela não envolve o Brasil. Sim, os dois maiores rivais do continente estiveram mais uma vez frente a frente sábado, em Santa Fé.



Em tempo: acho as manchetes do diário argentino Olé provocando o futebol brasileiro absolutamente imbecis. Sei que existe um vídeo igual ao que você viu acima com o argentino na torcida brasileira. Defendo, apenas, a tese de que a maior, verdadeira, acirrada rivalidade sul-americana, até pelo tempo, convivência e proximidade, é Uruguai x Argentina. Abaixo, o texto do Fernando Faro."

"Contra o anti-argentinismo

"Nunca vi um povo comemorar um gol como o argentino. No campo ou na arquibancada, as veias saltam e a cor geralmente desbotada da pele portenha rapidamente se avermelha como um belo Malbec.
Quando a derrota vem, o vulcão de sentimentos permanece o mesmo. O chão some, as mãos trêmulas buscam repouso nas cabeças e não raro as lágrimas escorrem em profusão estarrecedora.
Um gol argentino é como um tango de Gardel. Denso. Forte. Emotivo.
Como país e povo, os argentinos (ao menos comigo) sempre foram gentis e amigos. Isso sem contar a beleza das paisagens, a culinária saborosa...
A Argentina também sempre tratou a bola com raro carinho. De Di Stéfano a Maradona e Messi, vimos brotar naquelas terras gênios capazes de rivalizar com os brasileiros. Isso em um país muito menor e com 1/5 menos de 'pé de obra' disponível.
Fica difícil, portanto, entender o porquê da raiva de alguns brasileiros contra nossos vizinhos. O que se leu nas redes sociais após a derrota para o Uruguai não foi rivalidade, essa sim sempre saudável. Foi algo menor.
Resisto pensar que se trate de dor de cotovelo, mas é difícil pensar em outra coisa. Falar que argentino é convencido e arrogante é muito fácil, mas quantas dessas milhões de pessoas realmente conhecem um portenho pra falar tal coisa (e como se nós fôssemos um país de humildes cordeirinhos).
Talvez, lá no fundo, o brasileiro gostaria de ver seus jogadores comemorando gols menos com coraçõezinhos e imitações tontas de bonecos e mais com seus companheiros e a torcida.
Somos acostumados a cobrar títulos aos montes e ai do time que não corresponder. Será rotulado de perdedor - que o diga o Brasil de Dunga. Quando perdemos, o que vem é a indignação. Como o melhor futebol do mundo ousa perder para um "inferior"?
Enquanto isso, mais ao sul, os argentinos sofrem com uma seca de títulos. Querem apenas ter o prazer de gritar campeão. Quando eles perdem, o que vem é a dor.
Vai ver que dorme escondido um sentimento de que eles jogam para trazer alegria à gente sofrida deles. Os nossos parecem sempre jogar para tentar comprovar sua condição de "superior" e aumentar sua fama.
Torcer contra a Argentina (e contra Uruguai, Itália, França, Holanda, Alemanha, etc) é atentar contra o futebol, violentar a tradição. Não só me nego como adoto o caminho inverso, sempre quero ver os gigantes frente a frente.
Nenhum time é nada se não existirem seus temidos rivais. E a rivalidade genuína nada mais é do que uma mistura de temor e respeito mútuo. Um sentimento paradoxalmente nobre e honrado.
Uma pena que muitas pessoas - alimentadas muitas vezes pela própria mídia e seus animadores de auditório - deturpem esse respeito e o transformem em avacalhação.
Como brasileiro, admiro demais o futebol argentino e vejo como ele completa o nosso e vice-versa. Em minha modesta concepção, isso é muito mais patriota do que sair gritando que sou brasileiro com muito orgulho e muito amor.
Pena que devo ser minoria."

(Agradecemos à Sr.ª Mano Negra, que colaborou com a composição deste post)

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Juventus-ITA - 3º uniforme 2011/12

O machismo e o sexismo imperaram e muito no futebol, mas ainda vicejará por um tempo. Não é porque se adotam a cor rosa que os tempos mudaram: apenas descobriram que cor não tem sexo, qualquer um pode usar. O rosa já consta no uniforme de treino do Atlético Mineiro, no 1º uniforme do Palermo-ITA. O Corinthians já apareceu de roxo (na época em que se ainda enxergava as cores do clube, pois hoje a camisa é 'puro' patrocínios). Mas adotar cores talvez ainda seja apenas jogada de marketing: aproximar mulheres e homens homossexuais para a torcida dos clubes. A homossexualidade está presente em todos os ambientes, e nunca esteve afastada dos esportes - apenas ocultada. Em ambientes machistas, revelações jamais serão feitas. Revoluções como a do jogador Michel, do Vôlei Futuro, demorarão a acontecer. No Brasil, vivemos o momento da legalização das uniões entre homossexuais, mas o conservadorismo da sociedade é tamanho que até mulheres que jogam futebol ainda são discriminadas, independentemente da orientação sexual. Que o time de Marta obtenha êxito na Copa do Mundo de Futebol Feminino que acontece neste mês, para que o sentimento que a população brasileira para com elas seja de reconhecimento, e não de desconfiança. Mulheres futebolistas devem procurar assegurar seu lugar no futebol, apesar do desprezo da CBF, e cabe a nós apreciarmos o talento delas. Quanto à homossexualidade, seja de mulheres ou de homens boleiros, isso não importa: a sexualidade não se manifesta dentro de campo.
Del Piero, Buffon e Pirlo, no centro: modelos do Juve
_______________________

Do blog As árvores são fáceis de achar...

A que ponto chega a ridicularização do futebol brasileiro pela Rede Globo:


Globo é a emissora que determina horário e data de jogos do Campeonato Brasileiro, colocando jogos depois das novelas, aos sábados à noite, com início às 22h e término depois da meia-noite; que com isso expulsa o torcedor do estádio e obriga-o a assinar o canal fechado da própria emissora; que detém os direitos de imagens dos jogos, mas vende caro ao telespectador que quer ver os jogos mais concorridos; que tem o despudor de entrar, e ainda sem touca, na cozinha que prepara a alimentação dos jogadores da Seleção da CBF; que não tem vergonha de entrar nos quartos em que os jogadores se hospedam; que trata o treinador Dunga como persona non grata; que faz de ridículos jogadores como esse do vídeo, e torcedores como nós; que cria um boneco inútil e incentiva uma comemoração estúpida; que não faz reportagens sobre corrupção na CBF e na Diretoria do Corinthians; que quer que torçamos para milionários que correm atrás de uma bola; que chama a empresa privada CBF de responsável por uma Seleção que não representa nosso País.

domingo, 26 de junho de 2011

Che Guevara vira time de futebol em uma das sedes da Copa América

Texto do GloboEsporte.com

Há quatro anos o Club Atlético, Social y Deportivo Ernesto Che Guevara propaga no esporte os ideais do líder revolucionário argentino-cubano. Considerado uma das figuras mais importantes do século XX, o líder revolucionário continua propagando seu legado décadas após sua morte. Com as ideias e ensinamentos socialistas do médico, um grupo de pessoas na pequena cidade argentina de Jesús María, a 50km de Córdoba, província onde o guerrilheiro viveu dos dois aos 19 anos, fundou há quatro um time de futebol. "A ideia é integrar através do futebol crianças e jovens de todas as classes sociais para ajudar na formação delas como pessoas, reforçando valores pregados por Che como solidariedade e dignidade", contou Mónica Nielsen, presidenta do clube, na cidade que receberá dois jogos da Seleção Brasileira (Paraguai, dia 9 de julho, e Equador, dia 13).
Equipe sub-10 (divulgação)
"Era inevitável usar sua imagem, tanto no corpo do uniforme, quanto no escudo. Também fizemos questão de colocar a célebre frase 'Hasta la victoria siempre!'. Mas também fizemos isso porque muita gente comprava camisas com a imagem de Che apenas para consumo e nada mais. Nossa ideia é que os pequenos usem a camisa e sigam as convicções de Che, sua luta, de sua entrega por um mundo melhor e com justiça social para todos", salientou a presidenta Mónica, que cuida de maneira voluntária a administração do clube com ajuda de pais e parentes dos meninos do elenco, em gestão semelhante a uma ONG sem fins lucrativos. Filiado a Liga Regional de Colón, que está ligada a AFA (Associação de Futebol Argentino), o clube tenta conseguir uma sede própria. Por hora, as sete categorias treinam em campos cedidos ou alugados na região. Mónica só mostrou um pouco de frustração com a falta de apoio de pessoas famosas do futebol, lembrando que muitas delas, argentinas ou não, possuem tatuagens alusivas a Che Guevara. "Queria que eles, que possuem uma tattoo de Che, viessem aqui, observassem nosso trabalho e nos dessem uma mão. Seria muito importante para as crianças", disse Mónica, citando, indiretamente, o ídolo Diego Armando Maradona, que tem na pele a imagem imortalizada por Korda.
_____________________________

Aqui Neymar mostrando todo seu futebol. Para quem se recusou em 2010 a entrar em um hospital para crianças portadoras de necessidades especiais por que era um lugar sustentado por uma instituição espírita, esta fotografia é um bom exemplo de solidariedade desse evangélico dizimista. Esperamos que o péssimo narrador Cléber Machado, da TV Globo, retrate-se pelas críticas absurdas que fez ao povo uruguaio após o jogo, tendo em vista que quem começou a briga foi um santista filho do delegado Osvaldo Nico, vice-presidente do TJD da Federação Paulista. Esse delegado é o mesmo que prendeu o jogador Desabato, quando entrou em campo no Morumbi e deu voz de prisão ao jogador do Quilmes, acusado de ofensas contra Grafite, então no São Paulo. Um jogador xingar o outro não é racismo, é injúria. Racismo é quando se trata um diferente como diferente, que foi o que acabou acontecendo com o jogador argentino. Depois desse fato, Grafite sumiu do Brasil (vergonha?) e TV Globo e Galvão Bueno contaminaram o Brasil todo ao iniciarem uma campanha sórdida contra os argentinos, que desandou para um ódio desnecessário entre os dois países, não somente no futebol.
Sobre o título da Taça Libertadores do Santos, não há lição melhor para a honesta diretoria do Corinthians: marketing não ganha jogo. Pra uma diretoria que dispensou Lucas das categorias de base, que hoje brilha no São Paulo e na Seleção da CBF, dá para prever-se que nos próximos 10 anos o Corinthians vai ganhar uns Campeonatos Paulistinhas - e só.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Palmeiras - 2º uniforme 2011




_________________________________________
"A decisão do Corinthians de proibir o verde no carro que levaria seu nome na Formula Superlague foi de uma estreiteza inadmissível para uma administração que se pretende moderna. A atitude mostra uma falta de auto-estima impressionante. O Corinthians não ficará maior nem menor se tiver um carro com qualquer se seja a cor. E cometeu a insanidade de rejeitar as cores da bandeira do Brasil – é isso mesmo, o carro tinha verde, amarelo, azul e branco. Mas o mais importante é o seguinte ponto: verde não é a cor do Palmeiras. Verde é a cor de um monte de coisas, inclusive do Palmeiras. Ao rejeitar o verde, o Corinthians está se encolhendo se fazendo menor do que poderia ser. Está entregando um pedaço do mundo ao rival. O Corinthians tem que se preocupar consigo, em como vencer mais jogos e mais campeonatos, pois somente assim será mais conhecido e reconhecido. Tem que crescer mais na parte financeira e saber investir melhor o dinheiro para ter equipes sempre fortes, sempre campeãs. O resto tem pouca ou nenhuma importância. A rivalidade é um ingrediente importante do futebol, porque faz as equipes se dedicarem mais, evoluírem. Mas a rivalidade não é um valor em si, é um meio para alcançar o que importa. E, para ser produtiva, a rivalidade tem que ser saudável e inteligente. Não pode ser confundida com intolerância, com radicalismo estéril. A intolerância é burra, todos sabem. E nos principais países do mundo da bola, os clubes grandes já entenderam o caminho. O Manchester United jogou dois anos de azul, cor do City. A Inter de Milão já jogou com uma enorme cruz vermelha, cor do Milan, no peito. E entre os times que promovem o maior clássico do mundo, o Barcelona já jogou de branco, cor do Real, apenas com uma faixa azul-grená no peito. Também é verdade que há mais países em que os clubes não aceitam usar a cor do rival. A Turquia e a Argentina são dois. É uma questão de escolha. Quem queremos ter como espelho? A Inglaterra ou a Argentina? A Espanha ou a Turquia? Queremos ter o futebol dos grandes espetáculos ou o das batalhas sangrentas? Futebol é fator de socialização ou de segregação? Se o Corinthians quisesse se preocupar com o Palmeiras – o que acho errado, nenhum clube deve se preocupar com o rival nesse nível – deveria isso sim fazer uma estratégia contrária, como fez o United com o City. Deveria 'tomar' o verde do Palmeiras, torná-la uma cor tão neutra que o rival teria de escolher outra. Isso, sim, seria uma demonstração de força." (de Marcelo Damato, do blog Além do Jogo)

quinta-feira, 26 de maio de 2011

3º uniforme do Atlético Goianiense, que ousou contratar jogador com sobrenome Brisola


Atlético Goianiense contrata jogador com sobrenome Brisola - do blog As árvores são fáceis de achar:

A Globo detesta o Atlético Goianiense. Este blogueiro torce para o time aqui no Cerradão. O time tem poucos torcedores no próprio Estado de Goiás, e a Globo adora um número - mais consumidores, mais anunciantes, mais assinantes do canal de futebol, mais 'secadores' do time. Dizem que, quando a Globo não gosta de um time, ela influencia árbitros a dar uma força - para o time adversário. Houve arbitragem contraditória em quase todos os jogos do Atlético Goianiense ano passado, além dos cartões em excesso aplicados ao time. Pois bem: esse time ousado, que da Série C pulou para a A em 2 anos (de maneira justa, não foi como o Fluminense), agora resolver contratou um jogador de sobrenome Brisola, olha o Felipe aí:

O jogador era da Anapolina (Série D), se destacou no Campeonato Goiano e foi contratado por 5 anos pelo Atlético Goianiense.

O que você acha que a Globo vai fazer:

( ) Rebaixar o Atlético Goianiense direto para a 7ª divisão do futebol boliviano
( ) Mandar o jogador de volta para Roraima
( ) Chamar o jogador de Bezerra
( ) Proibir a escalação do jogador
( ) Mandar Brizola para o exílio
( ) Chamar Brisola de senil
( ) Chamar a Proconsult
( ) Entregar as transmissões para a Manchete
( ) Colocar a imagem de Fernando Collor de Melo no lugar do jogador
( ) Não transmitir jogos do Atlético Goianiense, mesmo que seja contra o Corinthians ou o Flamengo
( ) Ignorar o time e apresentar o Campeonato com 19 times

Para quem não sabe, TV Globo é a emissora que não fala Red Bull nas transmissões Formula 1 - falam RBR, no futebol Pão de Açúcar é PAEC, Red Bull Brasil é RBB, as equipes de volei são chamadas de Brasília, Osasco, Rio de Janeiro, esportistas de boné tem o rosto totalmente focado para não haver o que chamam de propaganda cruzada. A Globo também não fala o nome dos estádios quando são patrocinados. A Globo prefere o inglês record para não falar a palavra recorde, constante nos dicionários oficiais de língua portuguesa, para não pronunciar o nome da concorrente. A Globo tem o poder até de mudar samba-enredo de escola do carnaval do Rio!

Salve, Briza!


___________________________________
Nossa solidariedade ao jogador de futebol brasileiro Marcelo Vieira, do Real Madrid. Em 15 de maio, durante durante as comemorações do Nakba, ele declarou em seu Facebook: “My heart with Palestinian now as they fighting with Israel”. Após essa declaração o Real Madri mandou cancelar a página dele no Facebook . E hoje, apesar de ele estar em ótima forma e até então ser o titular da lateral esquerda da Seleção Brasileira, ele foi cortado da Seleção. A não convocação do Marcelo Vieira para a Copa América causou estranheza em toda a imprensa especializada em futebol.
___________________________________
"Enfim a Rede Globo se pronunciou a respeito das denuncias de corrupção contra Ricardo Teixeira. De maneira lamentável, é verdade. Tratou apenas de informar que o Imperador da CBF foi “absolvido” pelo comitê de ética da FIFA, sem ao menos contextualizar a história. Soou como uma notinha de assessoria de imprensa, daquelas contratadas por uma empresa para dizer o que for paga para falar. O telespectador da Globo, que não tem acesso a outras mídias, saiu da frente do televisor acreditando na inocência de Teixeira. Realmente o “custo” dos direitos de transmissão da Seleção Brasileira é bem maior do que o anunciado oficialmente" (via Blog do Paulinho)
___________________________________
Ninguém se iluda que começou a construção do estádio do Corinhtians na capital paulista para a Copa 2014. A Diretoria do Clube ainda não acertou os R$ 300 milhões que a Odebrecht reajustou para a obra. Com isso, fizeram um contrato apenas para a terraplanagem do local - por outra empreiteira, tentando pressionar a primeira contratada. Não se assustem quando anunciarem daqui algumas semanas que a obra está parada. Além do mais, os dutos da Petrobras que passam pelo local ainda não foram retirados...

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Corinthians homenageia Torino - 3º uniforme 2011


Conforme divulgado pelo Blog do Perrone, a nova 3ª camisa do Corinthians já nasceu envolvida em polêmicas. Uma delas é a rejeição por parte de torcedores evangélicos. O motivo é a estampa de São Jorge. No mesmo blog, há o comentário de Vandré, "o Corinthians não tem compromisso com nenhuma denominação religiosa. Tem compromisso apenas com suas tradições, e qualquer coisa que ele fizer em seu uniforme deve ser avaliado por aí: se está ou não de acordo com as tradições do Corinthians." A assessoria de imprensa da Nike informou que a imagem revelada não era da versão final da camisa, Seria apenas uma ilustração. Porém, o Blog do Perrone recebeu de um colaborador a foto do modelo que será vendido aos torcedores.

Queremos saber se algum evangélico deixa de torcer pelo São Paulo por causa da mascote do clube - o próprio santo...


"Em 4 de maio de 1949, o time do Torino pereceu em um desastre de avião. Por causa de um denso nevoeiro, já na descida, o avião chocou-se com a torre da Basílica de Superga. O Corinthians, de maneira, homenageou o Torino. Dia 8, no Estádio do Pacaembu, o Corinthians jogou com a Portuguesa e a renda foi destinada às famílias dos jogadores vítimas da tragédia. Na fila olímpica formada pelos atletas, uma novidade que elevou a tensão no estádio: os jogadores do Corinthians vestiam o uniforme grená do Torino." - Roque Citadini


SC Corinthians Paulista com a camisa do Torino, fotografia da Gazeta Press.http://www.blogger.com/img/blank.gif
Formação: (Da esquerda para a direita): Em pé: Hélio, Noronha, Edélcio, Baltazar, Servílio e Colombo; Agachados: Rubens, Touguinha, Bino, Belacosa e Belfare.

PS: raramente este blogueiro perde tempo em frente à televisão vendo apresentação de jogador em clube. De 6 em 6 meses o sujeito beija uma camisa nova, e fala que vai conquistar título para a torcida. Mas por um acaso vimos a apresentação de Emerson, no Corinthians. Para quem não sabe o rolo que este jogador está metido, confira aqui no Blog do Paulinho. O jogador tem dois nomes, duas naturalidades, duas idades, pais que somem de um documento para outro... estranho, não? Mas foi dolorido ouvir as perguntas dos 'jornalistas'. A cada 3 perguntas, duas são repetidas; só se pode fazer perguntas que engrandeçam o jogador (jornalistas do Lance! são ameaçados de demissão quando criticam o Corinthians), nada pode constrangê-lo e se deve perguntar apenas o que ele seja capaz de responder (não neste caso do Emerson, pois o estrago já estava feito); e, claro, as respostas do jogador estão todas engessadas, prontas, basta apertar o play. "Respeitando o time adversário", "Deus está ao nosso lado e nos iluminou", "O professor nos orientou e nos sobressaímos", "Não tivemos sorte"... Contudo, fica difícil saber se jornalistas não aprimoram seus questionamentos pois sabem que em geral o nível do intelectual dos jogadores é baixo ou na verdade é falta de capacidade dos jornalistas de elaborar apenas uma pergunta interessante.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Fluminense: 2º uniforme 2011


Apresentação aconteceu em cerimônia no estilo medieval, em menção ao Time de Guerreiros (leia aqui crítica do blog Esporte fino a esta expressão - "Time de guerreiro não é elogio. É praga" - 7 de maio de 2011)

Mariano veste o segundo uniforme (Crédito: Divulgação)

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Nova camisa do Palmeiras


"Camisa do Palmeiras vazou na internet. Você gostou da volta do velho escudo?
por Paulo Vinicius Coelho


O Palmeiras é o clube das mudanças de camisa e de escudos. Vários times do Brasil trocaram de uniforme. O Vasco é um exemplo, da velha camisa preta. Poucos trocaram tanto de escudo.
Nos anos 1910, a Cruz de Savoia.
Nos 1920, os primeiros títulos com o escudo do Palestra itália, com a borda em vermelho.
Até 1942, as letras PI entrelaçadas, referência às iniciais do clube.
Em 1942, o escudo do Palestra de São Paulo, nome provisório.
Entre 1942 e 1959, a letra P identificava o nome Palmeiras.
Desde 1959, o escudo atual.
Pois a nova camisa do Palmeiras vazou na internet e traz de volta o símbolo dos anos 1940. Oficialmente, uma forma de homenagear os campeões da Copa Rio de 1951. De certa forma, o retorno a um período da história do clube marcado em fotografias de grandes jogadores como Oberdan, Jair Rosa Pinto e Waldemar Fiúme.
Não se pode dizer que seja um ferimento à tradição. Ao contrário. Uma legião de palmeirenses sentirá falta do escudo que se tornou o mais tradicional, porque utilizado há 52 anos.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Breve informação: vagas para a Copa 2014





Do portal Kibeloco,

LEPTOSPIBOL

As imagens abaixo são do jogo Itaperuna x Aperibeense, realizado no último sábado e válido pela 2ª divisão do Campeonato Carioca de Futebol. E aí? Estamos ou não estamos prontos para uma Copa do Mundo?



Isso sim “Inacreditável Futebol Clube”...

sábado, 12 de março de 2011

"Marinheiro francês"


Título e texto do GloboEsporte.com, escrito por Thiago Dias:

"A Nike divulgou nesta segunda-feira as primeiras imagens do novo uniforme reserva da seleção francesa. A camisa número 1, azul, estreou na vitória sobre o Brasil por 1 a 0 no amistoso do mês passado.

O uniforme branco é diferente de todos usados pela equipe na era Adidas: tem várias listras horizontais azuis. Em um comunicado, a Nike explicou que se inspirou em roupas dos marinheiros franceses do século XIX."

Confira o vídeo de divulgação e as fotos da camisa:

sexta-feira, 11 de março de 2011

Times do Rio Grande do Sul: Cruzeiro e São José



Texto do blog Futebol - Arte & Garra, por Luciano Bonfoco Patussi, em 30 de junho de 2010:

"Esporte Clube Cruzeiro: o retorno de um pioneiro do futebol gaúcho

Enquanto Alex Goiano, jogador do Cruzeiro, marcava em cobrança de falta o terceiro gol do time de Porto Alegre na partida contra o Lajeadense, somente uma certeza tomava conta do pensamento da torcida cruzeirista: faltariam aproximadamente 10 minutos para o apito que decretaria o final da partida. Mais do que isso, a vitória por 3x0 sobre o Lajeadense, em Lajeado, daria mais um título para a galeria histórica do Cruzeiro. Acabaria um longo jejum.

O apito final, enfim, soou. A falta de títulos já faz parte do passado. A vitória deu ao time do Cruzeiro o título de campeão gaúcho da série B em 2010. Foi uma conquista que coroou a devolução, à primeira divisão gaúcha, de um dos clubes mais tradicionais do Rio Grande do Sul.

Fundado no dia 14 de julho de 1913, o Esporte Clube Cruzeiro é, em vários aspectos, um dos pioneiros do futebol gaúcho. Foi a primeira entidade esportiva gaúcha a implantar no clube o quadro de categorias de base, visando a formação de jovens atletas.

Com o crescimento da paixão do seu torcedor, um dos fatos mais marcantes da história cruzeirista foi a construção do estádio da Montanha, o maior da cidade de Porto Alegre até então. A inauguração foi em um amistoso contra o São Paulo. Isso aconteceu em 1941. O Cruzeiro derrotou o time paulista por 1x0, sob os olhos de mais de 20.000 torcedores presentes. O primeiro gol do estádio foi marcado por Gervásio.

Outra curiosidade interessante é que o Cruzeiro de Porto Alegre já esteve presente em uma Copa do Mundo. Não o time, mas a camisa estrelada. No confronto contra a Suíça, válido pela Copa do Mundo de 1950, o México entrou no gramado do estádio dos Eucaliptos fardado com a camisa cruzeirista. Fatos possíveis na época.

Merece ainda destaque especial uma excursão, realizada na Europa, entre o final de 1953 e o início de 1954. Foi a primeira excursão realizada, pela Europa, por um clube do Rio Grande do Sul. Destaques para o empate em 0x0 contra o Real em Madrid e para os empates também em 0x0 contra o Torino e a Lazio, em Turim e Roma, respectivamente. Para finalizar a excursão, o Cruzeiro retornou à Espanha para, em Barcelona, derrotar o Espanyol duas vezes: por 4x2 e 2x0. O saldo desta excursão foi de 15 jogos, com 7 vitórias, 4 empates e apenas 4 derrotas. Foram visitados os seguintes países: Espanha, França, Suíça, Itália, Turquia e Israel. O Cruzeiro deixou saudade no velho continente. Tanto que foi convidado para retornar.

Em 1960, o Cruzeiro marcou época na Europa novamente. Enfrentou equipes como Sevilla, Dínamo de Zagreb, além das seleções da Tchecoslováquia e da Bulgária, entre outros times. Desta vez, em 24 partidas, o Cruzeiro alcançou 11 vitórias, perdendo 7 jogos e empatando 6 vezes.

Durante esta excursão, o Cruzeiro conquistou o Torneio de Páscoa de Berlim, o primeiro título intercontinental de um clube gaúcho. Seguindo a trilha da realização de grandes jogos internacionais, o Cruzeiro jogou em 1961 o Torneio de Páscoa em Mar del Plata, na Argentina. Foi campeão.

Ao final da década de 1960, entretanto, o clube viveu uma fase complicada. Tudo culminou com a venda do estádio da Montanha. A última partida no local foi emocionante. O Cruzeiro venceu o Liverpool de Montevidéu por 3x2, no dia 8 de novembro de 1970. Vários torcedores deixaram o estádio derramando lágrimas. Era a última partida jogada no estádio da Montanha. O novo estádio do Cruzeiro foi inaugurado em 1977, denominado Estrelão. COntudo, em 1979 o Cruzeiro desativou seu departamento de futebol profissional, voltando a ativá-lo apenas em 1991. Foram tempos difíceis para os apaixonados cruzeiristas...

Fundado em 1913 e campeão gaúcho na temporada de 1929, o Esporte Clube Cruzeiro, de Porto Alegre, está de volta. Em 2010, após realizar grande campanha na série B estadual, o Leão da Montanha garantiu seu retorno à primeira divisão do campeonato gaúcho. O tradicional clube da capital do Rio Grande do Sul estava ausente do principal certame regional há 32 anos. A fiel torcida estrelada, sempre unida no ardor e na fé, não consegue esconder a euforia e o orgulho por este momento mágico vivido pelo glorioso Cruzeiro."

http://www.cruzeiropoa.com.br/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Esporte_Clube_Cruzeiro_%28Rio_Grande_do_Sul%29
http://www.finalsports.com.br/03/blog_campelo/?p=561
http://pt.wikipedia.org/wiki/Campeonato_Ga%C3%BAcho_de_Futebol_de_1977
http://www.copafutebolrs.blogspot.com

segunda-feira, 7 de março de 2011

Escudo e patrocínio inusitados...


Trechos de publicações do Parana-online.com.br e Futebol Paranaense.net

"Fundado em 2000, na cidade de Barueri-SP, o Roma se estabeleceu em Apucarana-PR no ano seguinte (coincidência com outro time pela mudança de cidade?). Atualmente o clube passa por dificuldades, principalmente financeiras, mas em 23 de janeiro último, o que mais chamou a atenção foi a camisa do clube. Em vez de um patrocínio da região, como costumamos observar nas camisas das equipes do interior, havia um ponto de interrogação. Em entrevista ao canal PFC, o presidente do clube, Sergio Kowalski, destacou que a atitude é um apelo para chamar a atenção dos empresários da cidade. Segundo ele, o que mantém financeiramente a equipe é seu próprio bolso. 'Isso não é uma marca de patrocínio, não. É falta de patrocínio mesmo', disse".
"Em novembro de 2010, o Roma Esporte Apucarana lançou sua nova logomarca, que será utilizada como distintivo da camisa oficial e em todas atividades sociais do clube. O novo distintivo foi criado a partir do lançamento de um concurso promovido pelo departamento de marketing do Roma, que entre 8 e 28 de outubro de 2010 recebeu 102 distintivos enviados por 32 pessoas participantes, algumas destas pessoas participaram com até 10 desenhos diferentes. O presidente do Roma, Sr. Sérgio Kowalski anunciou o ganhador do concurso, André Gustavo Burin, morador de Apucarana e torcedor do Roma, que ganhou uma camisa oficial, um kit de ingresso para assistir todos os jogos do Roma na 1ª divisão e também ganhará a 1º camisa oficial com a nova logo que foi lançada em dezembro."

Foto do portal http://www.odiario.com/blogs/esquemarapido

Só é um pouco parecida com o escudo da Seleção dos Emirados Árabes Unidos, não?


Para finalizarmos, um texto do blog do Antero Greco (21 janeiro 2011):

"Símbolo loteado

"Na quarta-feira, duas imagens me chamaram a atenção, em jogos do Campeonato Paulista. A primeira foi a do uniforme do Santos, quase imaculadamente branco e condizente com sua tradição. A única intromissão, porém simpática, foi a imagem do ursinho panda estampada na parte da frente, ao lado do escudo. O animal é o símbolo da WWF, fundação internacional que defende a vida selvagem. O clube paulista divulga essa marca, como uma espécie de ação social, enquanto define patrocinador para a temporada recém-iniciada. Bonito ver o uniforme nas cores originais.

No mesmo dia, um pouco mais tarde, o duelo entre Bragantino e Corinthians mostrou um festival de mau gosto ambulante. As duas camisas ostentavam uma infinidade de anúncios, dos mais diversos tamanhos e produtos, esparramados por todos os cantos – até no sovaco. Os escudos ficam perdidos nesses outdoors, nessa colcha de retalhos. Camisas alvinegras tão lindas parecem mais abadás carnavalescos.

Não tenho a menor dúvida de que o argumento principal para justificar o loteamento é a necessidade de fazer caixa, de ter dinheiro para investir, para pagar contas, para montar equipes competitivas etc. e tal. Sei que o futebol se transformou numa atividade cara e que o uniforme é fonte de renda imprescindível. Até o autossuficiente Barcelona curvou-se ao apelo e, depois de décadas, aceitou fazer propaganda. Mas vendeu caro, se fez valorizar. É o que mais arrecada no mundo nesse quesito. E não perdeu o charme ou a elegância.

O Corinthians gaba-se de ser o segundo clube que mais faturou, com a diferença de que teve de recorrer a uma dezena de anunciantes, para ainda assim ficar distante do gigante espanhol. Alguém pode dizer que é prova de marketing agressivo e eficiente. Mesmo? Ou seria uma demonstração de que não há limite para a voracidade de arrecadação? Certamente o Barça tem fila de pretendentes a comprar alguns centímetros quadrados de sua camiseta. Só que o bom senso dos cartolas – além de legislação que regula a publicidade – prevalece sobre o comichão de ganhar uns trocos.

Reconheço que os clubes precisam ser criativos e devem diversificar as opções para aumentar as receitas. Que o façam sempre com critério. Os pragmáticos que me desculpem, ainda sou dos que veem a camisa do time de coração como manto sagrado. E como tal deve ser respeitado. Um patrocinador, vá lá, passa, já que virou mal necessário. Um monte de reclames, que mais parecem os classificados dos jornais, é sacrilégio. Não gastaria um centavo para comprar essas peças horríveis. Ou então pediria desconto generoso aos clubes, porque, ao vestir camisas com visual tão poluído, estaria a fazer propaganda de graça, enquanto alguém lucra. Tô fora!"

quarta-feira, 2 de março de 2011

Hoje é aniversário do FC Primeira Camisa


O Primeira Camisa nasceu como um projeto idealizado pelo ex-jogador Roque Júnior. Depois de jogar na Itália, Inglaterra e Alemanha, ele desenvolveu a idéia de oferecer aos garotos uma oportunidade de jogar futebol com uma infraestrutura organizada e planejada. O Projeto Primeira Camisa surgiu em dezembro de 2005.
Após a disputa do Campeonato Paulista sub-15, sub-17 e sub-20 – no qual as categorias chegaram à 2ª fase - as equipes participaram de torneios internacionais para ganhar experiência. Durante toda a temporada, os atletas receberam todo tipo de assessoria, preparação física, assistência médica e exames clínicos, além do cuidado com a alimentação. O Primeira Camisa, então, disputou a Copa São Paulo de Futebol Júnior. O trabalho foi premiado com um bom resultado, chegando às quartas de final desse importante torneio. Em 2 de março de 2007, iniciou-se uma nova fase. O Projeto Primeira Camisa virou Futebol Clube Primeira Camisa. Novamente o clube alcançou a 2ª fase do Campeonato Paulista nas categorias sub-15, sub-17 e sub-20. A campanha do Primeira Camisa foi tão positiva que o clube deu início ao futebol profissional em 2008, o que estava previsto apenas para 2010. Também em 2008 as categorias de base alcançaram a 3ª fase no Campeonato Paulista. Hoje o Futebol Clube Primeira Camisa mantém equipes formadas nas referidas categorias, além da profissional na 4ª divisão do Campeonato Paulista.


Hino do Primeira Camisa
(Nivaldo João de Castro Pandeló)

Nos verdes campos que é de São José
O futebol atravessou a divisa
A bola rola de pé em pé
No clube Primeira Camisa
Os jovens, terão a chance
Pra que um dia o clube os revele
Pra que a fama um dia alcance
Faz da camisa sua segunda pele

Primeira Camisa, orgulho do seu torcedor
Primeira Camisa, um futuro promissor
Primeira Camisa, é o time do meu coração
Primeira Camisa, nasceu pra ser campeão

O joseense se enche de orgulho,
Com esse time sua nova paixão
Sua torcida vai fazer barulho,
Todo estádio vai tremer no chão
A emoção é de um filho querido

O seu amor é como de amor paterno
Vibrando com seu time favorito
Que na história ficará eterno.