quarta-feira, 14 de julho de 2010

Fictício: Brasil 2038 - Taça Fifa

Tendo em vista os 'princípios' da proporcionabilidade, da 'futuribilidade' e da historicidade, e considerando que em 2038 a Fifa dará um destino para a Taça Fifa, apresentamos estes escudos supondo que o Brasil supere Itália, Argentina e Alemanha na quantidade de êxitos nos 8 torneios que serão disputados até lá (contando com esta de 2010, em que a Argentina tem se mostrado menos irregular até hoje, 19 de junho). Desde 1974, essas 4 seleções já conseguiram duas vezes, e a França uma vez, substituindo a Inglaterra quanto à conquista da Taça Jules Rimet. Colocamos 8 estrelas no desenho, ou seja, cremos que com mais 2 títulos, qualquer uma dessas seleções ficará na frente dessa disputa. Contudo, estes botões são fictícios, pois devemos considerar que a Fifa não tem interesse de ver o Brasil campeão, para a competição não perder a graça (o Brasil ganhou duas das últimas 4 Copas, além do vice de 1998 - sem contar esta de 2010). Outra questão interessante é que seleções europeias tem desempenho ruim em outros continentes (somente Brasil ganhou Copas fora do próprio continente), mas podemos apostar que, com o fim do rodízio da escolha das sedes, as decisões da Fifa ficarão concentradas na Europa, e depois na Ásia e América do Norte, além de emirados bilionários. Ora, a Fifa não vai querer mais escolher os países do Sul, como Brasil e África do Sul, para não passar o constrangimentos de obras em atraso ou diferente de projetos apresentados (você viu o fosso em que o jogador sérvio comemorou o gol contra a Alemanha?), greve de funcionários, caos no trânsito, assaltos a jornalistas e jogadores etc. Sobre o escudo, ele tem o formato daquele da Seleção de 1974 a 1990, que comemorava a posse definitiva da roubada e derretida Taça Jules Rimet. Em 1994, a CBF voltou com o escudo antigo e tradicional da seleção brasileira de futebol.

Nenhum comentário:

Postar um comentário